8.8.17

INDÚSTRIA DE PELLETS À VENDA: EQUIPAMENTOS SEMI-NOVOS

Vende-se Usina de Pellets completa:

- Capacidade  72.000 toneladas/ ano.

Equipamentos semi-novos à venda (1.100 horas de uso):

  • 2 Fornalhas de 5.000.000 kcal   (Fabricante: IB Caldogno)
  • 2 Secadores rotativos 3 passes  6,0 ton/h produto seco (Fabricante Schiffl)

Secadores rotativos 6,0 t/h  Schiffl
  • Silos Panelok 31 m3
  • Moinhos de martelo 6,0 t/horas
  • Elevador de canecas 102 m3/h - 248 canecas
  • Entre outros equipamentos.

Para saber mais, entre em contato.

pelletsdemadeira@gmail.com




10.6.17

WOOD PELLETS: PRESIDENTE TRUMP, O INCONSEQUENTE!

O presidente dos EUA, Donald Trump, abandonou o acordo climático de Paris (COP-21). Essa decisão pode ter consequências catastróficas para a indústria de pellets dos EUA. O arrogante Presidente se esquece que há uma nova proposta europeia (RED II-artigo 26.6) de que os biocombustíveis de madeira só podem ser obtidos de países que são parte e ratificaram o acordo de Paris. Por isso, a inconsequente decisão pode prejudicar os próprios produtores norte-americanos que são os principais fornecedores de pellets para Reino Unido, Bélgica e Dinamarca.
Para o Brasil (Rússia e Norte da Europa), no entanto, a irresponsabilidade do topetudo Presidente pode ser benéfica. No curto prazo, é muito provável que os preços dos wood pellets aumentem e esses países terão o mercado europeu a disposição para exportar.

O RED II ainda é uma proposta que deve ser aprovada pela Comissão Europeia nos próximos meses. Sua aprovação é dada como certa, sobretudo porque é uma resposta à decisão de Trump. 

A retirada do Reino Unido da União Europeia (BREXIT) poderia potencialmente oferecer algum alívio para os EUA, mas é possível que os ingleses também estabeleçam requisitos semelhantes.


wood Pellets para exportação


25.3.17

O SETOR DE PELLETS DE MADEIRA NO BRASIL

       O artigo científico faz um diagnóstico do mercado de pellets brasileiro:
  • O Brasil tem 13 produtores ativos e o setor surgiu a partir do ano de 2004 (Ver Pellets Map Brasil 2017);
  • Em 2015, as treze indústrias peletizadoras produziram cerca de 75.000 toneladas do produto;
  • Os resíduos de Pinus (na forma de serragem, maravalha e pó de serra) são as principais matérias-primas utilizadas na produção de pellets
  • Em 2015, o mercado interno consumiu 76,93% da produção brasileira de pellets e 17.302 toneladas foram exportadas.
  • Os principais consumidores no mercado interno brasileiro são: aquecimento de aviário, hotéis, pizzarias e padarias.
  • Em média, os pellets de madeira são comercializados por R$ 471,15 a tonelada (FOB);
  • Os três principais problemas do setor de pellets, apontados pelos produtores, são: baixa demanda interna para o produto, custo alto da energia elétrica para a indústria e desconhecimento do produto pelos consumidores.
Maiores informações:

GARCIA, D.P.; CARASCHI, J.C.; VENTORIM, G. O setor de pellets de madeira no Brasil. Revista Ciência da Madeira (Brazilian Journal of Wood Science), v.8, n.1, p. 21-28, 2017.

10.1.17

MADEIRA É COMBUSTÍVEL NEUTRO EM CARBONO?



“A madeira é um combustível neutro em carbono, ou seja, as emissões gasosas da sua queima são recuperadas no crescimento da árvore, por meio do ciclo do carbono”

Essa afirmação tem assustado os ambientalistas e dividido cientistas nos Estados Unidos. Os ambientalistas argumentam que:

  • Os críticos - - > Promover o uso dos pellets de madeira pode desencadear uma exploração madeireira que destruirá a biodiversidade em nome da proteção do clima;

  • Os críticos - - > Exploração madeireira corte/colheita/transporte numa área, ao longo do tempo, retira o carbono do solo e o lança a atmosfera. Há necessidade de análise não só na árvore cortada, mas no que está abaixo dela;

  • Os favoráveis - -> O comércio de pellets para a europa é bom economicamente (motivos óbvios), mas sobretudo ambientalmente porque mais florestas serão plantadas nos EUA para atender a demanda e mais carbono será removido da atmosfera.

Os cientistas das principais Universidades americanas estão divididos:


  • 65 cientistas críticos da madeira escreveram uma carta, aos líderes do Senado nos EUA, advertindo que o rótulo “CO2 neutro” estimula o desmatamento e elevaria as emissões líquidas;

  • 100 cientistas favoráveis ao uso dos pellets de madeira, contra argumentaram que o combustível tem baixas emissões e essa tese está bem estabelecida na literatura científica. Artigos mostram que os pellets de madeira emitem até 85% menos gases do efeito estufa do que o carvão mineral, quando se analisa o ciclo de vida do produto;

Usina Termoelétrica no Reino Unido que utiliza pellets de madeira


O novo Presidente dos Estados Unidos terá uma difícil decisão nos próximos dias:


- - > aceitar a pressão dos estados ricos em madeira e o que dizem os cientistas favoráveis ao seu uso e validar a madeira como neutro em carbono: continuar os subsídios oferecidos;


- - > ignorar que as emissões causem o aquecimento global: ignorar subsídios e acordos já firmados;


O que se sabe, com certeza, é que essas discussões sobre a energia dos pellets de madeira e o clima ainda estão longe de acabar!
 
 Leia mais sobre esse tema consultando o artigo:
CORNWALL, W. The burning question. Science, v. 355, n. 6320, p. 18-21, 2017. DOI: 10.1126/science.355.6320.18

28.12.16

O MERCADO DE PELLETS NO BRASIL


  • A questão energética assume, nos dias atuais, enorme importância, pois o aumento do consumo energético coloca em xeque as fontes esgotáveis e poluidoras (derivados do petróleo). O uso de novas fontes requer que estas sejam capazes de substituir as atuais fontes primárias e, ao mesmo tempo, sejam limpas ou menos poluidoras.
  • Dada a extensão territorial do nosso país, não existe uma única e universal fonte de energia que atenda a todos. Precisamos combinar diversas fontes de energia (eólica, solar, térmica e hídrelétrica), levando em consideração as condições naturais de cada espaço geográfico e as oportunidades disponíveis. 
  • É aqui que entra os pellets de madeira que podem ser produzidos a partir de resíduos agroflorestais como o bagaço de cana, serragem e maravalha de madeira.  São biocombustíveis compactados que tem baixa umidade e alto poder calorífico, permitindo elevada eficiência na combustão, destacando-se por ser um produto natural de fácil manuseio e estocagem.
  • O Brasil tem hoje 16 indústrias que podem produzir pellets de madeira. No último ano, três indústrias fecharam as portas, mas já existem quatro grandes  projetos em desenvolvimento, com previsão para entrar em operação em 2017.